6 de fev de 2013

TWM - Senta que lá vem história - Under the Blade!

Desde que fui convidado a escrever para o blog (mais ou menos um mês atrás) uma pergunta me assombrou durante esse tempo:

_ “Sobre o que vai ser o meu primeiro post?” Afinal, a primeira impressão é a que fica!

Depois de muito pensar decidi escrever sobre uma história que mudou bastante os rumos da música no mundo e o seu direcionamento como produto. SIM!! PRODUTO!! A música hoje em dia é um produto embalado, etiquetado e endereçado; o que não quer dizer que seja ruim ou pior do que antigamente. 



Acredito que todos já viram alguma vez na vida o selo americano de “parental advisory” na capa de algum CD ou DVD que gostava.
A hitória dessa "tag" começou em meados de 1985, Tancredo neves tinha acabado de ser eleito no Brasil nas primeiras eleições após o regime militar, o buraco na camada de ozônio tinha acabado de ser descoberto, grandes clássicos do cinema como "De volta para o futuro" , "Goonies" e "A cor purpura" acabavam de ser lançados. No mundo da música o aconteceu o concerto Live-aid organizado para ajudar as vítimas da fome na África (mais precisamente na Etiópia), a música "We are the wolrd" foi fruto dessa iniciativa, enquanto no e também no Brasil acontecia o primeiro festival "Rock in Rio". Em 1985 também foi criado o comitê Parents Music Resource Center (PMRC), criado com o objetivo de censurar a cena musical da época.



O maior protagonista dessa história toda é Dee Snider o vocalista da banda “Twisted Sister”



Daí você se pergunta: “Como essa bonequicha do mundo canibal, essa lady gaga dos anos 80 pode ser protagonista de uma coisa tão importante assim?”.

Pois foi importante SIM! E MUITO!!

“Pra quem não sabe, o Rock'n Roll já precisou ser defendido num tribunal. Nos anos 80 um grupo de esposas de senadores, (incluindo a esposa de Al Gore), formaram uma comissão e decidiram que várias bandas e músicas de rock 'n' roll deveriam ter suas execuções públicas, televisivas e radiofônicas proibidas por conterem, segundo elas, conteúdo impróprio, pornográfico, incitação a violência, uso de drogas, ocultismo, entre várias outras acusações.” (Whiplash.net)

Esse era o PMRC (Parents Music Resource Center) que nada mais era do que um comitê americano formado para controlar o acesso dos mais jovens à músicas com conteúdo “violento”, sexual ou apologia a drogas. Os antagonias eram nada mais que Al Gore, SIM AQUELE MESMO, o vice-presidente dos EUA, e sua esposa Tipper Gore. O objetivo real do PMRC era fazer uma caça as bruxas, exterminar com jovens que apenas queriam expor sua opinião de como viam o mundo, e seriam bem sucedidos nisso se Dee Snider não tivesse feito um discurso que trouxe guardado no bolso de trás da calça escrito em uma folha de caderno amassada e começou a disparar palavras de um discurso que eram mais certeiras que balas de rifle, como você pode conferir nos vídeos abaixo:












Um pequeno resumo do que ele disse em seu depoimento :
"Não sei se é manhã ou tarde. Eu vou dizer duas coisas. Bom dia e boa tarde.
Meu nome é Dee Snider. S-n-i-d-e-r. Eu gostaria de falar ao comitê um pouco sobre mim mesmo. Tenho 30 anos, sou casado, tenho um filho de 3 anos de idade. Eu nasci e cresci como um cristão e eu ainda creio nos mesmos princípios básicos. Acredite ou não, eu não fumo, não bebo, e eu não uso drogas.
Eu toco e componho as canções para uma banda de rock and roll chamado Twisted Sister que é classificada como heavy metal, e eu me orgulho de escrever canções que sejam consistentes, seguindo assim minhas mencionadas crenças.
Desde que eu pareço ser a única pessoa a ser abordado a esta comissão de hoje, da qual eu tenho sido alvo direto de acusações, presumivelmente responsável, gostaria de aproveitar esta ocasião para falar sobre uma nota mais pessoal e mostrar o quão injusto todo o conceito de lírica interpretação e julgamento pode ser, e quantas vezes isso pode chegar a pouco mais de assassinato de caráter.
Sinto que acusações deste tipo são irresponsáveis, prejudiciais à nossa reputação, e caluniosas.
A beleza da literatura, poesia e música é que eles deixam espaço para o público a colocar a sua própria imaginação, experiências e sonhos em palavras."
Segundo o próprio Dee Snider, uma das melhores partes da audiência foi quando a Sra Gore disse que a música "Under to Blade", (Sob a Lâmina), fazia apologia ao sadomasoquismo. Veja abaixo a resposta de Dee:
"A música mexe com a imaginação das pessoas e as faz pensar o que quiserem. Essa música fala sobre uma cirurgia na garganta de um integrante da banda, o meu guitarrista Eddie Ojeta e o medo que ele tinha dela. A Sra. Gore procurou sadomasoquismo na música e o encontrou. Quem procurar referências cirúrgicas também irá encontrá-las."
No fim dessa comissão em 1985, infelizmente conseguiram aprovar o projeto de colocar essa “tag” do parental advisory nos CD’s e VHS/DVD/BLU RAY e etc. O que gerou a revolta de boa parte dos músicos por que isso é uma censura violenta a qualquer tipo de liberdade de expressão dentro da música.

Bom, essa foi uma versão beeeem resumida da história. Se quiserem saber mais sobre o tema sugiro a vocês o filme “Proibido para Menores” onde ele interpreta a ele mesmo (ISSO É QUE É SER FODA) que explica beeem melhor essa história.

Além dele também teve o depoimento de Frank Zappa "A LENDA DO JAZZ EXPERIMENTAL"
Segue abaixo um trecho do filme, a parte do discurso (infelizmente só encontrei dublado) ·.



É isso! Espero que tenham gostado, pretendo dividir o “Traveling without moving” em colunas essa parte de histórias da música (Senta que lá vem a história) vai ser uma delas!
Ahhh e para algum de vocês que ainda não conhece a banda, segue abaixo alguns dos maiores clássicos da banda:





Nenhum comentário:

Postar um comentário